Como já disse, nem tudo é trabalho e nem tudo tem que ser papo sério.

Pra quem não me conhece, aqui vão alguns dados puramente superficiais.  No futuro, quando “tivermos mais intimidade”, como dizia o velho Chico Anísio … quem sabe eu conto mais?

A Vera (Euzinha) nasceu no Rio de Janeiro, no dia 19 de abril de 1948.  Morou na Rua Ana Quintão, no bairro da Piedade até por volta de 1967, quando mudou pra a Abolição, depois para o Méier, Higienópolis, voltou para Méier … ou seja, nunca saíu do subúrbio.  Fazer o que?

Sou uma eterna mutante, mas não acordo pensando como farei para ser melhor do que ontem ou pior do que amanhã. Apenas decido o que vou fazer no minuto presente, baseada na minha consciência ou na minha crença de que estou fazendo o que é certo, já que não temo castigos eternos, infernos com caldeirões nem estou preocupada se serei julgada em algum tribunal celestial. Não tenho tempo pra isso e meu relógio biológico está sempre me lembrando que falta menos do que faltava para eu cumprir o que os outros chamam de missão.

Acho que a minha vida é tão importante quanto a da minhoca. A diferença está apenas na média de tempo que cada uma tem pra viver. O resto é história que alguns contam pra colecionar moedas nos templos.

Mudei de mala e cuia para o sul da Flórida em 89, pouco antes que o “caçador de marajás” conseguisse botar a mão na minha pequena poupança. Ufa, foi por pouco!  Qualquer hora dessas eu conto essa história em detalhes.

Depois da família, composta de 2 filhas, 3 netas, 2 genros maravilhosos, vários cachorros e gatos, minha grande paixão é a informática e tudo o que consigo aprender sobre o assunto, com o auxílio do meu Mac, que é outra paixão desenfreada. 

Adoro cinema, teatro, música, doces, salgadinhos, e tudo o mais que engorda. Tenho medo de avião, furacão, tornado, portanto nem sei porque escolhi justamente a Flórida pra morar, mas certamente a principal razão foi porque odeio frio. Durante alguns anos até morei no Tennessee onde uma das filhas mora, mas acabei voltando pra morar com a outra filha na Flórida.  Hoje posso dizer que tenho duas casas, graças à essas mulheres maravilhosas que me apoiam em tudo que faço.

Tenho outras paixões, claro e na medida do possível e que o tempo me permita, tentarei dividir minhas experiências nesse pequeno espaço. Com isso espero encontrar ou fazer amigos com interesses comuns, já que esse é o maior barato da Internet.

Comentários, sugestões, críticas, serão sempre muito bem-vindos!

Vera Schäfer (Veruska, para os íntimos).